Freguesia de Grade

Ir em baixo

Freguesia de Grade

Mensagem  Daniel Sousa em Ter Abr 06, 2010 5:39 pm


Dista cerca de 5 Km da sede do concelho, nas faldas da da serra da Peneda, e ocupa uma área de cerca de 485 ha.
Tem por limites: a norte, Carralcova e Gondoriz; a sul Vale, a Nascente Cabana Maior e a poente Ázere e Couto.
Diz José Cândido Gomes na sua obra ‘As Terras de Valdevez” que ‘Na sua área ha apenas os montes da Costa e da Pena. Neste monte, que pertence, em parte, à freguesia do Vale, aparecem vestígios de mamôas.
É banhada a freguesia pelos rios de Padornello e Ázere e pelo ribeiro chamado de Grade, no qual há um poço muito fundo no lugar do Xarinho. A lenda diz que ao fundo d’este poço há uma porta que comunica com a torre dos Abreus.

A paróquia aparece citada em documentos antigos sob a designação de Gorvellas. O nome de Grade vem, segundo a tradição, de daqui ser natural o construtor das grades que se utilizaram contra os castelhanos e leoneses na Veiga da Matança, batalha que opôs Afonso Henriques a seu primo Afonso VII de Leão. Nesta batalha teria sido achada a relíquia do Santo Lenho que se encontra na igreja paroquial.
A Casa da Torre do Faro pertenceu aos Gáres ou Gonçalves, família extinta em 1434, e mais tarde ao morgadio dos Azevedos Abreus. Em 1680 passou para os Pereiras de Castro, de Monção. A Torre do Faro, segundo a tradição, foi edificada pelos mouros para avisarem da chegada dos cristãos, mas o mais provável é tratar-se de uma construção romana.
Em 1258, na lista das igrejas situadas no território de Entre Lima e Minho, elaborada por ocasião das Inquirições de D. Afonso 111, Grade é citada como uma das igrejas pertencentes ao bispado de Tui.
Em 1320, no catálogo das mesmas igrejas, mandado efectuar pelo rei D. Dinis, para o pagamento de taxa, Grade foi taxada em 50 libras.
Em 1444, a comarca eclesiástica de Valença, desde o rio Lima até ao Minho, foi desmembrada do bispado de Tui, passando a pertencer ao de Ceuta.
Em 1512, o arcebispo de Braga, D. Diogo de Sousa, deu a D. Henrique, bispo de Ceuta, a comarca eclesiástica de Olivença, recebendo em troca a de Valença do Minho. Em 1513, o papa Leão X aprovou a permuta.
Na avaliação dos 140 benefícios eclesiásticos de Entre Lima e Minho, a que D. Diogo de Sousa mandou proceder entre 1514 e 1532, Grade rendia 23 réis e 2 libras de cera.
No Memorial do vigário da comarca de Valença Rui Fagundes (1545-1549), Santa Maria de Grade tinha de rendimento 40 mil réis.
O Censual de D. Frei Baltasar Limpo (1351-1581), refere Santa Maria de Grade como anexa “im perpetuumn” ao mosteiro de Ázere. Segundo Américo Costa, foi vigairaria renunciável da apresentação do tesoureiro-mór da colegiada de Santo Estêvão de Valença.



Padroeira: Santa Maria.
Habitantes: 401 habitantes (I.N.E.2001) e 399 eleitores em 31-12-2003.
Actividades económicas: Agricultura, construção civil e pequeno comércio.
Festas e romarias: Senhora da Luz (Fevereiro), Santo Lenho (Maio) e Senhora da Piedade.
Património cultural e edificado: lgreja Paroquial, casas da Torre de Faro, do Casal, do Convento e Capela da Senhora da Piedade.
Outros locais de interesse turístico: belezas ribeirinhas dos rios Ázere , Padornelo e Grade, vistas panorâmicas sobre o vale do Vez, aspectos rurais da freguesia.
Gastronomia: Cabrito assado no forno e Rojões à minhota.
Artesanato: Tamancaria e fabrico de queijo de gado cacheno (Lombadinha)..
Colectividades: Associação Desportiva e Cultural de Gondoriz, Junta de Agricultores do Regadio de Juzão e Grupo de "Zés Pereiras".

_________________
"Não fales sem reflectir
Que a fala é como uma bala
Quando se deixa partir
Não há quem possa agarrá-la"

By: Delfim Pereiras Amorim
avatar
Daniel Sousa
Moderador
Moderador

Mensagens : 27
Data de inscrição : 22/12/2009
Idade : 27
Localização : Lisboa!

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum